top of page

O Banco Inter (INTR, INBR32) vale mais após o lucro recorde?

Neste relatório mergulho fundo no ótimo resultado do Banco Inter, para entender o quanto isso vai continuar assim e as tendencias para os próximos trimestres.


Além disso, atualizo meu Valuation para o banco, sempre com o objetivo de responder se vale a pena investir nas ações da empresa.


Comento também o excelente resultado da Valid (VLID3) e as novidades de dividendos da Vivo (VIVT3).


Banco Inter - A fase da colheita chegou

Após a fase do plantio, no qual o banco construiu uma plataforma completa de serviços e produtos, o SuperApp, e cresceu em níveis muito altos sua base de clientes, atraídos por seu modelo inovador e com custos menores que os bancões, agora o Inter começa a gerar frutos.


A receita bruta total aumentou 39% no 3T23 frente ao 3T22.


O destaque, é o crescimento da receita de serviços, que cresceu 28% frente ao trimestre anterior e foi responsável por 35% da receita total do Inter.


A receita de serviços cresceu com o grande aumento de intercambio, dado a alta de 41% nas transações (TPV) principalmente no cartão de crédito, aumentando tanto a carteira de crédito em cartões como as taxas de intercambio recebidas.


Além disso é destaque a ótima performance do ecommerce próprio do Inter no SuperApp, o Inter Shop e dos seguros.


A receita de juros cobrados foi 65% do total e cresceu 2% frente ao trimestre anterior.


 Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)
Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)

O número de clientes aumentou 1,6 milhões frente ao trimestre anterior para um total de 29,4 milhões de clientes – lembrando que a meta do banco é atingir 60 milhões de clientes em 2027.

A taxa de ativação dos clientes foi de 52,7%, a mais alta desde 2021.

 Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)
Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)

Gastando menos para crescer

A receita de R$47,8 por cliente (ARPAC) aumentou 3% frente ao ano anterior enquanto o custo de aquisição por cliente caiu bastante, em 8%.

Ou seja, o Inter além de crescer fortemente, está gastando menos para crescer!

A receita liquida de R$31 por cliente bem maior que o custo de R$13 por cliente o qual, contrariando a inflação no Brasil caiu frente ao custo R$16 por cliente do ano passado.

 Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)
Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)

Margem bruta por cliente foi recorde

Com receitas por ciente subindo e custos caindo, a margem bruta por cliente foi RECORDE e a administração espera que esta tendencia siga acontecendo


O controle de custos levou a um recorde no índice de eficiência neste 3T.


Análise da margem de juros líquida (NIM)

Houve um impacto negativo na carteira de R$20 milhões, com impacto da baixa inflação nos empréstimos imobiliários ligados ao IPCA, além de um volume mais alto de renegociações e descontos em acordos de cartão de crédito como uma estratégia de cobrança para reduzir inadimplência.


Pelo lado positivo, teve otimização continua com o Loop programa de pontos anunciado no último trimestre e uma melhora no mix.


A margem liquida continua a se expandir e tem melhoria devido a carteira melhor, a estratégia de reperecificação está em estágio avançado, melhorando as taxas implícitas por produto e devem continuar na meta de crescimento para mais de 10%.


As renegociações são baseadas na receita e os descontos ocorrem sobre os juros acumulados.

Isto deve prosseguir no 4T e conforme a carteira aumenta continuam as vendas da carteira

original, oferecendo descontos de quase 40% e isso está fazendo os clientes pagarem assim que os acordos são concluídos.


Controle de custos - Como o Inter gasta menos por cliente?


O controle de custos é a principal prioridade do banco e o custo por cliente é beneficiado pelos ganhos de escala.


O próximo gráfico mostra que com o crescimento de clientes, hoje são 5 clientes por colaborador comparativamente a 3 clientes por colaborador no ano passado.



O ganho de que estamos vendo tende a se perpetuar e até pode aumentar com:


- a continuidade do crescimento do número de clientes em direção a meta de 60 milhões


- com a maior adesão dos clientes atuais a vasta gama de produtos oferecidos pelo Inter – que vem adicionando mais produtos e serviços, como o recém lançado programa de pontuação e fidelidade LOOP e a conta global.


- graças a um modelo que já nasceu com uma tecnologia nova e totalmente digital, permitindo menores custos que os bancões tradicionais.


O ganho de escala é o principal motivo pelo qual o Inter vale mais e tem a meta de passar do ROE de 6% para 30% !


Na teleconferência o Inter foi questionado sobre um aumento nos gastos com por colaborador, o qual subiu mais de 40% frente ao ano anterior, e explicou que tais gastos devem ter alta correlação com o lucro, devido ao compartilhamento de lucros.


O número de colaboradores está caindo organicamente o assim o salário médio do colaborador está aumentando conforme sua performance na organização.


Lucro recorde e retorno caminhando para a meta ambiciosa!


O Lucro líquido do Inter totalizou o recorde histórico R$104 milhões um e o retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) de 5,7% caminhando para a meta de 30% do banco.




Banking - Crescimento de crédito com foco em rentabilidade e o funding mais barato do mercado


A concessão de credito aumentou 7% no 3T frente ao 2T e a maior alta foi em cartões de crédito com alta de 13%.


O cartão de crédito é o principal item da carteira do Inter com 30% de participação, seguido pelo crédito imobiliário com 19%, pessoal com 18% e Pequenas e Medias Empresas com 12%.


Além disso, continuam aumentando empréstimos imobiliários e de FGTS que tem menor inadimplência.


Qualidade nos ativos


Com o crescimento da carteira em cartão de crédito é natural se questionar qual o nível de confiança na originação nos últimos trimestres.


O Inter diz ser sempre muito cauteloso com cartão de credito e de ter uma carteira de credito bem garantida.


Nos últimos 12 meses melhoraram o processo de concessão e cobranças e com isso estão mais entusiasmados com estes produtos, com aumento significativo de R$25 milhões no volume transacionado (TPV) do cartão de crédito.


Além disso estão muito empolgados com a união de ecommerce + bancos e consequentemente com a melhoria no uso do cartão de crédito do Inter e do Inter Shop


Entendem que o futuro do financiamento é a integração de pagamentos e parcelas com o ecommerce e já começaram há 2 meses está integração.


A gestão do banco ainda não tem números certos de inadimplência para este produto, mas a boa notícia é que tem uma taxa muito boa e como recebem entradas, isso gera um amortecimento na inadimplência e faz o produto rentável.


No 4T23 vão passar mais detalhes sobre a inadimplência, mas estão muito entusiasmados com a união ecommerce + banco.


Inadimplência com tendencia positiva


A inadimplência está estável dívidas vencidas de 15 a 90 dias e no caso das dívidas vencidas a mais de 90 dias pode-se ver uma melhora.


 Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)
Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)


A inadimplência está melhorando consistentemente em todas as safras de cartao de credito segundo a empresa.


O motivo é a melhoria no processo de cobrança, com implementação de estratégia de maior credito para clientes de melhor performance e redução naqueles que tem pior performance de risco.


Funding

O Inter tem uma das melhores estruturas de funding do mercado, com custo de capital de apenas 61% do CDI.


Isso ocorre devido a sua base muito diversificada com mais de 14 milhões de clientes no varejo que aumentam seus depósitos no banco.


35% do capital que o Inter usa vem de depósitos a prazo e transacionais de seus clientes.


 Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)
Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)

Plataforma Transacional - Volume Total transacionado em crédito e débito 41% maior que no ano anterior !


O TPV (Volume Total de Pagamentos) de cartão de crédito e PIX teve uma expansão muito forte de 41% frente ao ano anterior, refletindo as ativações maiores e um bom mix entre uso do credito e do débito.



 Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)
Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)

Boa parte do crescimento das taxas de intercambio veio da mudanaça no mix, com maior participação do cartão de crédito, que tem taxas maiores, ficando mais relevante que o débito.


Vemos que o valor transacionado (TPV) de cartão de crédito cresceu 12%, comparado com o crescimento de 4% do valor transicionado em débito, impulsionado pela aceleração do cresicmento da carteira crédito de cartões, a qual aumentou 13%.


Estao se preparando para crescer ainda mais no cartão de crédito com o programa de fidalidade e pontos LOOP, que está trazendo mais gastos dos clientes para o cartão de crédito do Inter.


Estão aumentando o limite dos cartões em 25% focando nos clientes de maior tendência a gatar e com bom perfil de risco.


A outra questáo é os seguros e parceiros com receita recorde e o acordo coim a B3 em investimentos que aumenta a cada trimestre.


Quando olhamos as verticais de marketplace, seguros e investimentos, também vemos crescimentos robustos frente ao ano anterior, de 20% ,113% e 33% respectivamente


 Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)
Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)

O recém lançado Global App mostra uma adesão rapida, que prova a capacidade do Inter de engajar seus clientes em novos produtos.


Nos EUA eles estão replicando a principal vantagem competitiva que tem no Brasil, que são os custos e taxas menores para osclientes.


 Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)
Fonte: Banco Inter (INTR, INBR32)


Risco da concorrência – como o Inter vê o crescimento do Nu Bank no consignado?


O Inter faz empréstimos consignados desde 2021, isso não é novo e estão muito bem posicionados.


Segundo o banco, não querem concorrer como antigamente quando tinham as menores taxas de consignado, mas seguir a estratégia B2C e não B2B2C.


Conclusão:

O Inter está criando um modelo de negócios que agrega valor a todas as partes , com vantagens competitivas de menor custo para servir ao cliente, funding mais barato do mercado e tecnologia de ponta que o diferencia dos concorrentes com melhor experiência para o usuário.


Considerando um valor mais conservador do que as metas estabelecidas pelo banco de ROE de 30% e 60 milhões de clientes em 2027, tenho preço alvo de R$ 35 por ação para o BDR INBR32, um upside de 47% frente ao preço atual de tela


 Fonte: Projeções www.Investe10.com.br
Fonte: Projeções www.Investe10.com.br


Aliás, o banco informou que está ADIANTADO nas metas para 2027!


Podemos ver que nos ultimos 12 meses o ROE melhorou muito e o banco se mostra muito diligente no uso de capital da melhor forma possível.


Apesar do Inter se diferenciar com custos menores, e não cobrar taxas por PIX como outros concorrentes, o crescimento de taxas como as advindas do maior uso do cartão de crédito (TPV) é muito o importante no negócio deles.


Esta tendencia de crescimento nas taxas recebidas em serviços e cartões que vimos no último tri deve continuar a aumentar o ROE deles no futuro, com a expansão para os EUA e com o Inter Shopping.


Acredito também que o Inter deve continuar crescendo com o bom uso de capital e expansão do portfolio de credito com taxas mais altas.


Excelente resultado da Valid !

Crescimento de 13% na Receita Líquida versus o 3T22 e de 4% vs. o 2T23, com elevação de todos os segmentos


Margem bruta subindo 1,3p.p para 36,3%¨no 3T23


EBITDA trimestral de R$127MM com margem de 22,7%, levando o acumulado do ano para R$410MM com margem de 25,3%;


Lucro líquido trimestral contábil de R$61MM, 185% maior que no ano anterior !


O ROIC – retorno sobre o capital investido - nos últimos 12 meses subiu para 20,3%


Redução de Dívida Líquida, para apenas 0,2x do EBITDA e JSCP de R$0,65 por ação em 12 meses , yield de 4%.


Em breve a atualização da empresa !


Telefônica “Vivo” VIVT3 sobe quase 3% hoje com a aprovação pelo conselho de redução de capital


O valor de R$1,5 bi será pago aos acionistas, em uma única parcela até o dia 31 de julho de 2024.

O Valor adiciona cerca de 2% ao valor já esperado de pagamento de proventos , que é de cerca de 7% ao ano, totalizando cerca de 9% ao ano nas minhas estimativas


A empresa divulgou hoje que tem a “intenção” distribuir aos acionistas 100% ou mais do lucro líquido de 2024 a 2026 seja em proventos ou outras formas de remuneração, como a recompra de ações e de redução de capital social.




Cristiane Fensterseifer – CNPI, CGA e consultora CVM

Instagram : @crisinveste

Twitter : @crisinveste


08/11/2023




178 visualizações0 comentário

Comentários

Avaliado com 0 de 5 estrelas.
Ainda sem avaliações

Adicione uma avaliação
RECEBA
O MELHOR
CONTEÚDO DE
INVESTIMENTOS
NO SEU EMAIL

Obrigado(a)!

bottom of page