top of page

Quem ganha e quem perde com as eleições?!


Estamos há poucos dias da votação do primeiro das eleições.


A decisão proveniente das urnas vão certamente impactar nas políticas adotadas nos próximos quatro anos e terá influência nos seus investimentos.


O objetivo deste relatório é traçar cenários e identificar possíveis beneficiários, em termos de movimentação das ações na bolsa, com os diferentes possíveis desfechos desta eleição.

É bom salientar que não temos como saber o resultado das eleições, até que elas sejam de fato concretizadas.


As pesquisas podem ser indicativas de um resultado, mas não são definitivas.


Podemos, porém, traçar cenários com base no que ocorreu em outros momentos e também com base em informações colhidas nos discursos eleitorais.


Diante destes cenários, podemos verificar se nossa carteira está exposta a quais tipos de riscos e de oportunidades conforme o cenário, e ainda verificar novas opções de investimentos.


Alguns setores e empresas podem ser destaque positivo no caso de vitória de cada um dos principais candidatos.


Para fins de praticidade, os dois cenários utilizam os dois candidatos que estão no topo nas pesquisas.


Para começar, coloco abaixo uma imagem de um agregador de pesquisas, que compila as pesquisas que já foram divulgadas.


Você pode entrar neste link para verificar cada uma das informações passando o mouse no gráfico


Fonte: Poder360


Este relatório não tem intenção de falar bem ou mal de qualquer candidato ou influenciar votos, apenas de traçar cenários para as ações, refletindo quais poderiam ter suas cotações beneficiadas ou prejudicadas pelo resultado das eleições.


As três empresas/setores que podem ganhar com a reeleição de Bolsonaro:


Acredito que uma reeleição de Bolsonaro seria positivo principalmente para as empresas estatais listadas em bolsa, com controle do governo federal.

Isto porque o presidente atual já manifestou em vários discursos sua intenção de seguir com as privatizações, o que tende a ser bem recebido pelo mercado e fazer as ações valorizarem-se.

Veja abaixo algumas manchetes com falas do atual presidente sobre estas empresas:


Fonte: CNN


Por outro lado, seu principal oponente tece comentários contrários a privatizações, como a matéria abaixo mostra:


Fonte: Folha


Desta forma, entendo que uma vitória de Bolsonaro poderia ser benéfica para as ações da Petrobras e do Banco do Brasil.


1 - Petrobras: Venda de ativos e estudos para privatização


Durante o mandato de Bolsonaro a Petrobras seguiu na sua trajetória de venda de ativos, os quais forma comprados por empresas também listadas em bolsa, as conhecidas como Júnior Oils, tal como a 3R, PetroRio e PetroRecôncavo.


Uma continuidade na venda de ativos da Petrobras pode ser benéfico para estas empresas também.


É bastante provável que em um segundo mandato as vendas de ativos continuem ocorrendo, com alguns outros ativos na lista sendo o foco de venda para além dos campos e poços de petróleo, como é o caso de refinarias e da Braskem, por exemplo.


Em inúmeras ocasiões, em meio a escalada do preço do petróleo internacional durante a invasão da Ucrânia pela Rússia, e com a consequente alta do preço dos combustíveis da Petrobras pela política de paridade de preços internacional, o presidente Bolsonaro mencionou que gostaria de privatizar a Petrobras para que assim o governo não fosse pressionado a interferir na política de preços da empresa.


Fonte: R7


Mais recentemente, Bolsonaro chegou a encomendar um estudo para privatização da Petrobras, o que obviamente seria ara um segundo mandato por questões de prazo.


O governo também formalizou recentemente a inclusão da Petrobras na carteira do Programa de Parcerias e Investimentos, que é uma etapa inicial para uma eventual privatização da empresa.




O raciocínio para uma privatização seria de que a quebra do monopólio estatal e o consequente aumento de concorrência por novos competidores privados, levassem a preços mais baixos dos combustíveis.


A desestatização da Petrobras seria fundamental, segundo esta linha de pensamento, para atrair investimentos e ganhos de eficiência.


O atual Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que se Bolsonaro for reeleito, com um Congresso com perfil mais de centro-direita, conseguiria privatizar a Petrobras.


Fonte: InfoMoney


Seu oponente nas urnas, por outro lado, não apenas rechaça fortemente a privatização da empresa, como acredito que levaria a uma maior percepção de risco por parte dos investidores com relação ao seguimento da paridade de preços internacional da empresa.


Fonte: Exame


Outra alegação do ex presidente Lula é de que o Brasil é "autossuficiente" em petróleo, mas carece de refinarias com as quais poderia estar exportando derivados e combustíveis além de refinar a quantidade para consumo interno.


Sabemos que a política de paridade de preços internacional é um dos marcos importantes para os acionistas minoritários da empresa, que perderam dinheiro caso esta política fosse quebrada e a empresa deixasse de seguir com os ajustes conforme o mercado internacional.


Dito isso, a Petrobras é uma das empresas que entendo ser beneficiada no caso de um segundo mandato de Bolsonaro, ao mesmo tempo que deve ter novos componentes de risco pesando sobre sua cotação no caso de um mandato do Lula.


Bom lembrar...


Riscos de investir na Petrobras


Dentre os riscos da empresa estão uma queda muito forte do preço do petróleo internacionalmente e a ruptura na atual política de preços, lembrando que o ex-presidente Lula fala abertamente em romper com a política de paridade com os preços internacionais.


Outros riscos de investir na empresa são interferências adicionais de outros tipos na sua condução pelo governo, um risco comum com todas as estatais e também eventuais investigações ou casos de corrupção, que mancharam a história da empresa no passado.


Banco do Brasil: Outro candidato à privatização

Tal como ao Petrobras, acredito que o Banco do Brasil seja outra empresa estatal cujas ações podem subir no caso de um segundo mandato de Bolsonaro e eventuais estudos para sua privatização.


Segundo algumas matérias e comentários de representantes do atual governo, o banco estaria “na fila” para uma privatização:



Segundo o discurso do atual ministro Paulo Guedes, durante participação por videoconferência no encontro "O Brasil Quer Mais", organizado pela International Chamber of Commerce (ICC):


"Um plano para os próximos dez anos é continuar com as privatizações. Petrobras, Banco do Brasil, todo mundo entrando na fila, sendo vendido e sendo transformado em dividendos sociais".


Aliás, não foi apenas o Paulo Guedes que mencionou privatizar o BB, o mais recente cotado para um eventual mandato de Lula também já declarou que seria favorável a vender o banco para a iniciativa privada:


Fonte: Infomoney


Como já temos um relatório completo sobre o Banco do Brasil, mencionando a tese de investimento e também os riscos de investir na empresa, vou deixar o link aqui para que se aprofundem na tese da empresa se desejarem:



Lembro que antes de tomar sua decisão e realizar o investimento em qualquer ação é importante entender não apenas as oportunidades, mas também os riscos do investimento em questão, bem como fazer uma carteira sempre diversificada e com recursos que você não precise utilizar no curto prazo, no caso do investimento em ações.


Agronegócio: Grande base de apoio do atual presidente!


Não é segredo para ninguém que boa parte do agronegócio tem no Bolsonaro seu candidato favorito, pelo menos é isso que frequentemente vemos estampados nas matérias de jornal.


Desta forma, entendo que uma continuidade nas políticas que presenciamos nos últimos quatro anos em relação ao setor seria benéfico para este segmento, que está conseguindo surfar bem o cenário macroeconômico sem grandes interferência governamentais.


Os últimos anos foram especialmente positivos para o setor com o preço das comodities em alta e o real desvalorizado frente ao dólar impulsionando as exportações.


Por outro lado, um eventual mandato do Lula talvez imponha riscos adicionais para o setor.

Recentemente, em matéria para o jornal Estadão, o famoso gestor Luiz Stuhlberger, um dos mais conceituados gestores de portfólio do País, mencionou que acredita que possa ocorrer uma mudança na tributação deste setor em um mandato do Lula.


Fonte: Estadão


Concordo com esta visão do gestor e, mesmo considerando que esta mudança tributária sofra obstáculos para ser aprovada, não podemos descartar que sejam revistos alguns impostos pagos pelo segmento agro , ainda mais em virtude da necessidade de levantar recursos para programas sociais e correções salariais de funcionários públicos, por exemplo.


Desta forma, entendo que um segundo mandato de Bolsonaro poderia ser mais positivo para o desempenho das ações do Agro, ao passo que uma vitória de Lula traria riscos adicionais para o setor, com possível aumento de tributos.


As três empresas/setores que podem ganhar com o Lula:


Se as ações de estatais e o agro tendem a se beneficiar de um segundo mandato do Bolsonaro, na minha opinião, as empresas e setores que tendem a se beneficiar de uma vitória do Lula são aquelas ligadas a economia doméstica, e distribuição ode renda, além de programas específicos como aqueles voltados para moradias populares e educação (pensando no que foi o Fies nos últimos mandatos do PT).


Desta forma, destaco aqui como possíveis ações que podem valorizar com políticas implementadas em uma eventual vitória do Lula:


Construtoras de baixa renda: programas habitacionais


O programa habitacional Minha Casa Minha Vida, rebatizado de Minha Casa Verde Amarela, deve ganhar folego extra em um mandato de Lula, pelo seu histórico de envolvimento com a causa, na minha opinião.


Neste segmento de baixa renda, na bolsa, destacam-se as empresa MRV, Cury e Direcional.


Das três, minha preferida é a Cury, pela sua elevada posição de caixa e histórico de margens favoráveis.


Conforme conversado com a empresa, há uma tendência de as faixas mais baixas do programa habitacional ganharem espaço frente as faixas superiores em um mandado todo lula, ao contrário do que ocorre agora.


Isto poderia pressionar margens das empresas, mas seria compensado com o ganho no volume de negócios, com a expansão de financiamento, neste cenário.


Como já fiz um relatório sobre esta companhia, coloco aqui o link para que tenham acesso a tese completa antes de optar pelo investimento:



Educação : O retorno do FIES vem aí ?!

Nos antigos mandatos de Lula e PT vimos uma expansão gigantesca no número de alunos que foi contemplado com o FIES, que financiava com juros extremamente subsidiados a formação acadêmica.


O PT pretende repetir, segundo discursos do partido, os programas de financiamento ao ensino Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) e o Prouni (Programa Universidade para Todos).


Em um segundo mandato, é possível que vejamos mais recursos sendo novamente destinados para isso, o que beneficiaria nomes listados em bolsa do setor tal como Cogna, Yduqs, Cruzeiro do Sul, entre outras.


Minha preferência entre estas empresas seria a Cruzeiro do Sul, devido a sua posição menos alavancada financeiramente comparativamente às pares setoriais.


No entanto, nenhuma destas empresas ainda está indicada por mim, devido aos riscos:


Quando pensamos nos riscos das empresas educacionais, entendo que o principal deles é a inadimplência, uma vez que alunos que perdem o emprego e a renda podem não conseguir honrar seus compromissos com a companhia de educação.


Outro risco relevante no caso destas companhias é o elevado endividamento delas, que sofreram muito com a evasão e inadimplência de alunos durante a pandemia.


O quadro abaixo mostra a dívida líquida sobre o Ebitda de cada empresa do setor, onde podemos ver uma alta alavancagem financeira das maiores companhias do setor.


Fonte: Companhias e estimativas próprias


Varejo: Recomposição do salário-mínimo!


Por fim, um setor que é ligado com o mercado interno e tende a se beneficiar da maior distribuição de renda é o varejo, impulsionado pelos programas de distribuição de renda.


Na mesma matéria citada anteriormente, o famoso investidor Stuhlberger disse que espera pressão para recomposição do salário-mínimo e da remuneração do funcionário público, para recompor a perda de poder de compra pela alta inflação.


O salário-mínimo comprava em 2016, 1,6 cesta básica, enquanto agora essa proporção é de 1,10.


Caso tenhamos estas correções inflacionários nos salários isto tende a impulsionar as varejistas.


Neste caso, as minhas preferias neste setor são as empresas de varejo de vestuário, que você pode encontrar as reses clicando nos links abaixo:


Para concluir, repito que este relatório não tem intenção de falar bem ou mal de qualquer candidato ou influenciar votos, apenas de traçar cenários para as ações, refletindo quais poderiam ter suas cotações beneficiadas ou prejudicadas pelo resultado das eleições.

Carteiras recomendadas !!


Abaixo você encontra todas as carteiras recomendadas, na sua versão mais atualizada:


Carteira dividendos


A carteira de dividendos contém as ações da tabela abaixo e nas próximas semanas novos nomes serão adicionados ao cardápio.



Carteiras sugeridas:


Sugestão de alocação em renda fixa:



Carteira de dividendos



Carteira de ações completa


Recomendo sempre uma carteira bem diversificada de ações de diversos setores e empresas, uma vez que ações já possuem risco elevado na matriz de riscos.


A carteira abaixo contém minhas ações preferidas para novos aportes, considerando os potenciais de valorização e teses das empresas.


A carteira abaixo é completa, no sentido de possuir empresas large caps, microcaps e ações de dividendos. Abrangendo, portanto, todo o tipo de ações.


Você pode ler mais sobre como distribuir seus investimentos de acordo com o risco de cada tipo de ativo no nosso relatório aqui)




Lembre-se que retornos passados não são garantia de retorno futuro, investimentos envolvem riscos e podem causar perdas ao investidor.


Cada investidor deve desenvolver suas próprias análises e estratégias, considerando seu nível de risco e perfil de investidor.


Grande Abraço,


Cristiane Fensterseifer, CNPI, CGA - 28/09/2022



Disclaimer




Exoneração de responsabilidade e informações importantes:

Os conteúdos podem mencionar possibilidades de lucro financeiro decorrente de investimento, eximindo-se a analista de qualquer responsabilidade sobre eventuais prejuízos do cliente em decorrência da tomada de decisão deste. Recomendações de investimento mesmo quando são fundamentadas pela avaliação criteriosa de um analista certificado, podem não estar corretas e não antecipar o comportamento dos mercados com exatidão. Padrões, histórico e análise de retornos passados não garantem rentabilidade futura. Todo investimento financeiro, em maior ou menor grau, embute riscos que podem ser mitigados, mas não eliminados. Nunca devem ser alocados em renda variável recursos destinados a despesas imediatas ou de emergência, bem como valores que comprometam o patrimônio do cliente. A analista não realiza intermediações financeiras e não obtém nenhum tipo de receita advinda de comissões, corretagens ou emolumentos sobre montantes aplicados, cabe ao investidor a exclusiva responsabilidade pela execução de operações junto à respectiva instituição financeira na qual possua conta aberta. Os analistas têm, ou podem vir a ter, posições nos investimentos recomendados. O disclaimer não se sobrepõe à legislação e regulamentação vigentes.


ATENÇÃO: Retornos passados não são garantia de retorno futuro. Investimentos envolvem riscos e podem causar perdas ao investidor. Cada investidor deve desenvolver suas próprias análises e estratégias, considerando seu nível de risco e perfil de investidor.


Ao assinar, adquirir ou utilizar quaisquer de nossos produtos ou serviços, você concorda e sujeita-se ao Termo de Uso sem o qual não poderá contratar o serviço:


TERMO DE USO: VOCÊ CONCORDA QUE INVESTIMENTOS ENVOLVEM RISCOS E QUE O MATERIAL DISPONIBILIZADO AQUI NÃO OFERECE GARANTIA DE RETORNO, EXPRESSA OU IMPLÍCITA, CABENDO AO CLIENTE POS SUA OPÇÃO, CONTA E RISCO COLOCAR EM PRÁTICA INVESTIMENTOS BASEADOS EM TAIS INFORMAÇÕES.


Cada investidor deve desenvolver suas próprias análises e estratégias.


Declaração do(s) analista(s) de valores mobiliários(de investimento), nos termos da CVM nº 20/2021

O analista de investimento, ou de valores mobiliários, envolvido na elaboração deste relatório declara que as recomendações contidas neste refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma.

1. O(s) analista(s) de investimentos, envolvidos na elaboração deste relatório, não tem vínculo com pessoa natural que trabalha para o emissor objeto do relatório de análise.

2.O(s) analista(s) de investimentos, seus cônjuges ou companheiros, podem deter, direta ou indiretamente, em nome próprio ou de terceiros, ações e/ou outros valores mobiliários de emissão das companhias objeto de sua análise.

3.Os analistas de investimento, seus cônjuges ou companheiros, podem estar direta ou indiretamente envolvidos na aquisição, alienação ou intermediação dos valores mobiliários objeto deste relatório.

4.Os analistas de investimento, seus cônjuges ou companheiros, podem ter direta ou indiretamente, interesse financeiro em relação à companhia emissora dos valores mobiliários analisados neste relatório.

5.Os analistas de investimento, seus cônjuges ou companheiros, negociam com cotas de fundos de investimento que concentram seus investimentos na companhia analisada ou em seu setor da economia, ou em cuja administração ou gestão podem influenciar, direta ou indiretamente.

As opiniões são individuais do analista a partir da sua percepção e analise, bem como projeções e entendimento e sempre são sujeitos a mudanças acompanhando os fatos.

O conteúdo não constitui oferta de negociação de valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros.

O analista responsável pela elaboração do conteúdo declara, nos termos do artigo 17o da Instrução CVM nº 20/2021, que suas recomendações refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e são elaboradas de forma independente.

Declaração do(s) analista(s) de valores mobiliários (de investimento) envolvidos na elaboração deste relatório, nos termos da CVM nº 20/2021

1. O(s) analista(s) de investimento, ou de valores mobiliários, envolvido(s) na elaboração deste relatório (“Analistas de investimento”), declara(m) que as recomendações contidas neste refletem exclusivamente as suas opiniões pessoais sobre as companhias e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma,

. 2. O(s) Analista(s) de investimento podem see titulares de valores mobiliários objeto do presente relatório.

Os relatórios específicos são de uso exclusivo dos adquirentes e não podem ser reproduzidos ou distribuídos.

A reprodução indevida de relatórios ou trechos está sujeita a multa e demais punições cabíveis, de acordo com artigos 102 e seguintes da Lei 9.610/98.

Cada investidor deve desenvolver suas próprias análises e estratégias.


64 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
RECEBA
O MELHOR
CONTEÚDO DE
INVESTIMENTOS
NO SEU EMAIL

Obrigado(a)!

bottom of page